SÃO PAULO E OS ASPECTOS DE SUA FORMAÇÃO


2 – São Paulo e os aspectos de sua formação
           
2.1 – Formação Inicial, “média” e ambiente cultural

Tarso fora um berço de muitos e importantes mestres da filosofia. O fundador da escola estóica, Zenão de Cicio, nascido em Chipre, é filho de um homem de Tarso. Mas o estoicismo teve ainda outros mestres oriundos de Tarso: um outro Zenão, sucessor de Crisipo, esteve à frente da escola estóica. Também os irmãos Atenodoro, importantes filósofos do estoicismo são de Tarso. Um deles foi mestre do imperador Augusto. O platônico Nestor também era originário da cidade. O mesmo se pode falar de Lísias e Diógens, epicuristas.
                        
O geógrafo e historiador Estrabão, que teve contactos diretos com a cidade, escreve: “Os habitantes de Tarso dedicam-se tão avidamente, não só à filosofia, mas também a todo o conjunto da educação em geral, que já ultrapassam Atenas, Alexandria e qualquer outro lugar que possa ser citado onde haja escolas e palestras de filósofos. Mas Tarso é tão diferente das outras cidades que os homens que gostam de aprender são todos nativos, e estrangeiros não costumam demorar-se ali. Nem estes nativos ficam por ali,  pois completam sua educação no exterior. E quando completam têm prazer em morar no estrangeiro e bem poucos voltam para casa... Além disso, a cidade de Tarso tem todos os tipos de escolas de retórica e, em geral, não só tem uma população próspera, como é bastante poderosa, dessa forma mantendo a reputação de cidade-mãe” (Geografia 14,5,13).
                        
O que impressionou o antigo historiador não foi a superioridade ou antiguidade do seu sistema educacional, mas a seriedade, o entusiasmo e o empenho com que os habitantes buscavam instrução. A saída da terra natal estava ligada ao esforço de galgar a maiores conhecimentos. Filósofos (Atenodoro e Nestor), que mais tarde se tornaram governantes da cidade, muito se empenharam em promover a instrução em Tarso.
                        
Nas escolas as crianças, a partir dos seis anos, eram ensinadas nos rudimentos de leitura, escrita e aritmética. Também eram educadas para o respeito às instituições do estado e da religião. Era tradição entre as famílias judaicas da diáspora, primar pela boa formação do seus filhos. Além da educação civil, eram muito esmerados na educação religiosa. Desde suas primeiras iniciações à leitura eram ensinados nas observâncias que formavam a base de sua identidade. A partir do treze anos deveriam observá-las. Fílon escrevia: “Todos os homens anseiam preservar seus costumes e leis, e os da nação judaica mais que todos os outros; pois, considerando que receberam seus oráculos diretamente do próprio Deus, e tendo sido instruídos nessa doutrina desde a mais tenra idade, trazem na alma as imagens dos mandamentos”. Na realidade, os meninos judeus, desde a infância, tinham que viver em dois mundos: a convivência com os pagãos e a fidelidade ao judaísmo. E aprender de ambos.
                        
Em um contexto assim Paulo deve ter conhecido a LXX, as Escrituras para os judeus de língua grega. Desde a infância aprendiam as “Sagradas Letras”, como usavam chamar (cf. 2Tm 3,15). Conheceu-as em profundidade. Para um bom judeu elas (as Escrituras) eram uma fonte perene de discernimento. Nos escritos de Paulo há aproximadamente noventa citações diretas. Ademais, para um “hebreu, filho de hebreus” (Fl 3,5) é bem possível que conhecesse, desde casa, também o hebraico/aramaico (cf. At 22,2).
                        
Há ainda que considerar que um filho de um cidadão romano, residente em uma cidade do porte de Tarso, deveria aprender a atuar bem no mundo helenístico. Era preciso ter bom domínio sobre a língua grega falada. Ademais, até mesmo a leitura e interpretação da Septuaginta requeria um bom conhecimento da língua grega escrita. Vale acrescentar ainda que até na Palestina as crianças judias eram ensinadas a ler e interpretar Homero. Nas escolas dos judeus da diáspora, então, com  muito maior desenvoltura tais textos eram manuseados, lidos e retransmitidos. Aliás, deveria ser um aprendizado exigente, que empenhava muita disciplina. Nos manuscritos da época nem sempre as palavras estavam separadas umas das outras e não havia pontuação.
                        
Nas escolas gregas, quando o menino alcançava a adolescência, começava então, sua formação no “gimnasium”. A formação consistia em atividades físicas e atléticas, matemática e geometria, artes, filosofia e, com grande ênfase, a retórica. Aliás, da retórica exercitada em Tarso, Estrabão, impressionado, escreveu sobre a “facilidade predominante entre os habitantes de Tarso, pela qual eles podiam falar imediatamente de improviso, e sem cessar, sobre qualquer assunto” (Geografia 14,13-14). Difícil saber qual era a aceitação, por parte das famílias judaicas, dos tais “ginásios” e da instrução neles ministrada. Todavia, Fílon, enaltecendo, interpreta-os como um lugar excelente para treinar “o corpo com ginástica e regras atléticas, para deixá-lo vigoroso e saudável e lhe dar facilidade para ficar em pé e se mover, não sem elegância e graça, e educando a alma com letras, números, geometria e todo o tipo de filosofia”.
                        
É muito difícil aquilatar em qual medida Paulo recebeu toda esta formação. A provável boa posição social de sua família sugere que estava ao seu alcance aceder a tal programa educativo. Mas Paulo parece negar. Segundo suas próprias palavras, ele se apresenta pouco afeito a persuasões de valor retórico. Em 1Cor 1,17 salienta que Cristo o enviou para anunciar o Evangelho, mas “sem recorrer à sabedoria da linguagem, a fim de que não se torne inútil a cruz de Cristo”. Na mesma epístola, alguns passos adiante, em 2,4, volta ao tema: “Minha palavra e minha pregação nada tinham da persuasiva linguagem da sabedoria, mas eram uma demonstração de Espírito e poder”. Em 2Cor 11,6 não se reconhece bom orador: “Ainda que eu sou imperito no falar, não o sou no saber”. Aliás, na comunidade de Corinto, o grupo melindrado com Paulo parecia reclamar uma retórica mais atilada: “Pois as cartas, dizem, são severas e enérgicas, mas ele, uma vez presente, é um homem fraco e suas linguagem desprezível”.
                        
Todavia, há bons motivos para interpretar a realidade por um outro ângulo. Em 1Cor 2,1-2 Paulo deixa clara a razão pela qual sua linguagem não tem os engenhos retóricos, muito em voga no seu tempo, aos quais apelavam os filósofos itinerantes. Ele se Explica: “Quando fui ter convosco... não me apresentei com o prestígio da palavra ou da sabedoria... pois não quis saber outra coisa entre vós, a não ser Jesus Cristo, e Jesus Cristo crucificado”. Seu pensamento estava voltado à genuinidade da fé em Jesus Cristo: “Para que a vossa fé não se funde na sabedoria dos homens, mas no poder de Deus” (1Cor 2,5). Tratava-se, portanto, de uma opção do missionário.
                        
Uma análise atenta dos escritos paulinos deixa entrever que Paulo tinha em mãos a arte discursiva grega. Ele poderia, se assim julgasse conveniente para a mensagem do evangelho, recorrer às habilidades de linguagem retórica, para as quais, provavelmente, exercitara-se já em Tarso. Estudos comparativos das últimas décadas esclarecem que a “retórica de Paulo sugere proficiência e convicção que é improvável ter adquirido sem longa prática e, talvez, também longos estudos”. O texto de 2Cor 11,1-12,15, escrito “com um pouco de loucura de minha parte” (11,1) evidencia qualidades discursivas profundamente arraigadas. Betz salienta que suas cartas, pelas “habilidades retóricas, pela cuidadosa composição e pela elaborada argumentação teológica”, constituem-se em obra-prima de literatura.
                        
Estes traços dos escritos paulinos deixam entrever que nosso personagem, “hebreu, filho de hebreus”, cresceu em um ambiente urbano, com muitos contactos com pessoas de outras raças. Desde sua metrópole de nascimento pôde experimentar, quase que diariamente, a abertura ao mundo. Pessoas de outras culturas e mentalidades não eram um fenômeno estranho para ele. Desde sua adolescência e juventude deve ter tido aproximações com outros hábitos, outros costumes e outras formas de pensamento. E esta retaguarda plural, urbana e cosmopolita configurou a sua linguagem. A título exemplificativo, é possível vê-lo servir-se de termos e expressões típicos da antropologia platônica: corpo, espírito, alma (1Ts 5,23). Ainda outro exemplo: guardando semelhanças com filósofos neoplatônicos e estóicos, Paulo contrapõe o “homem interior” ao exterior; a precariedade das coisas visíveis contrasta com a imutabilidade das invisíveis (2Cor 4,16.18).

FIQUEM NA PAZ DE DEUS!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

CONFIRA AS POSTAGENS MAIS VISITADAS (PROCURADAS) DO BLOG. VALE A PENA!

EU SOU O CAMINHO A VERDADE E A VIDA!

BLOGS PARCEIROS!