É LÍCITO AO MARIDO REPUDIAR A SUA MULHER?


É licito ao marido repudiar a mulher?

27º COMUM
Gn 2, 18-24; Sl 127 (128); Hb 2, 9-11; Mc 10, 2-16

Na liturgia da palavra nós temos como tema central o divórcio, se é licito ou não o homem repudiar sua mulher. Esse é o grande questionamento apresentado, sobretudo no Evangelho. A primeira leitura nos apresenta que pelo matrimônio o homem e a mulher se tornam uma só carne. É licito ou não repudiar a mulher?
No princípio, de fato, Deus criou o ser humano à sua imagem. Ele os criou homem e mulher. Abençoando-os, Deus disse-lhes: “Crescei e multiplicai-vos” (Gn 1, 27-28). Sabemos que Deus criou o ser humano, homem e mulher, com igual dignidade, mas também com características próprias e complementares, para que os dois fossem dom um para o outro. O casal na vivência do matrimônio, não dá qualquer coisa ou alguma atividade, mas a vida inteira.
Deus senhor criador, cria tudo dentro de uma harmonia, tira do solo, todas as feras selvagens e todas as aves do céu, e cuida também para que o homem não fique só. Tira da costela deste uma auxiliar, ou seja, uma complementaridade, o homem e a mulher se completam de forma tal que não existe homem sem a mulher nem a mulher sem o homem, ambos formam uma só carne: “Esta, sim, é osso de meus osso e carne de minha carne!” (Gn 2, 23). Assim, “O homem deixa seu pai e sua mãe, se eu à sua mulher, e eles se tornam uma só carne” (Gn 2, 24).
Sabemos que já no inicio o homem foi infiel a Deus quebrando a aliança que Deus tinha estabelecido com ele na criação, assim, a harmonia entre homem e mulher foi também ferida pelo pecado. No entanto, são Paulo vai dizer que ele nos predestinou a sermos conformes à imagem do seu Filho, a fim de ser ele o primogênito entre muitos irmãos. E estes que predestinou, também os chamou; e os que chamou, também os justificou, e os que justificou, também os glorificou (Rm 8, 28-30).
Aquele muro de separação que existia entre Deus e a humanidade foi destruído, Cristo nos deu acesso direto ao Pai, nos dando a possibilidade de voltar àquela amizade primeira que existia entre Deus e a humanidade. É sobre isso que fala a segunda leitura: “Convinha, de fato, que aquele por quem e para quem todas as coisas existem, querendo conduzir muitos filhos a gloria, levasse à perfeição, por meio de sofrimentos, o Iniciador da salvação deles” (Hb 2, 10).
Assim, em Cristo não há carta de divórcio, mas o casamento definitivo entre Deus e a humanidade, no sangue da nova e eterna aliança, o qual deve ser o modelo entre homem e mulher. Por isso, não é permitido ao homem dar carta de divórcio a sua mulher, pois como diz a primeira leitura, os dois são uma só carne, não duas. Duas realidades unidas num único principio, Jesus Cristo, por isso, devem permanecer na unidade.  
A leitura da carta aos Hebreus nos apresenta que Cristo se fez menor do que os anjos, provando os sofrimentos da morte, para conduzir muitos filhos à glória; razão pela qual não se envergonha de nos chamar irmãos. Independente de nossos pecados, ele nos chamou irmãos para nos conduzir todos a Deus, à aliança eterna com Deus e com os irmãos.
O Evangelho apresenta alguns fariseus que se aproxima de Jesus e para pô-lo a prova perguntam: “É licito ao marido repudiar a mulher?“. Jesus conhecendo bem a sua maldade devolve a pergunta: “Que vos ordenou Moises?” Então eles responde que Moisés permitiu escrever carta de divórcio e repudiar a mulher”. E Jesus vai dizer que foi por causa da dureza dos vossos corações que ele escreveu para vós esse mandamento”, ou seja, por causa dos interesses pessoais e o egoísmo vocês colocado a cima da vida matrimonial. Com essa resposta Jesus de certa forma já responde o questionamento dos fariseus a cerca do divórcio (Mc 10, 2-5).
Os fariseus reconhecendo o direito do homem de repudiar sua mulher, não explicitava, contudo, quais os motivos que justificariam tal repúdio. O repúdio poderia ser pela simples insatisfação do homem, ou apenas nos casos de infidelidade da mulher.
Jesus conhecendo bem a lei e a intenção deles, quanto repudiar ou não a mulher, responde com texto do Antigo Testamento: “Mas desde o principio da criação ele os fez homem e mulher. Por isso o homem deixara o seu pai e a sua mãe, e os dois serão carne. E ainda acrescenta: “De modo que já não são dois, mas uma só carne. “Portanto, o que Deus uniu o homem não separe” (Mc 10, 6-9). Jesus descarta o legalismo e o machismo dos fariseus e coloca o homem e a mulher dentro do plano de amor de Deus. Ele quer mostrar que o que uni homem e mulher não é uma lei criada pelo próprio homem, mas que essa união relacional é parte constitutiva do próprio ser do homem e mulher, Deus os criou assim, ou seja, de modo que formam um só, uma só carne. Os fariseus não conseguem compreender isso, apenas ficam no exterior das palavras, no legalismo. Não é muito diferente com os discípulos, eles também pensavam como os fariseus, não conseguem compreender o que Jesus diz, por isso quando chegam em casa perguntam a Jesus.
De modo geral as leituras nos apresentam que o não deve haver divórcio, e que o casal alcança a sua plenitude em Jesus Cristo, que elevou o matrimônio a Sacramento. Tal realidade não é de se estranhar por que foi querida por Deus desde a criação e colocada frente ao homem como caminho para a sua própria felicidade. Assim, não é permitido ao homem repudiar sua esposa, mas ambos permanecerem no amor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

CONFIRA AS POSTAGENS MAIS VISITADAS (PROCURADAS) DO BLOG. VALE A PENA!

EU SOU O CAMINHO A VERDADE E A VIDA!

BLOGS PARCEIROS!