O PRIMADO DE PEDRO


O PRIMADO DE PEDRO


            Na sucessão apostólica, ocupa um lugar único e privilegiado o Apóstolo Pedro. Jesus lhe confiou encargos especiais, que estão ligados com a própria subsistência de Igreja até o fim dos tempos. Pedro é sem dúvida o Apóstolo mais citado no Novo Testamento. Pedro é o primeiro que Jesus chama e envia Mc 1,16-20. Na lista dos Apóstolos, é sempre o primeiro, ao passo que Judas é o último Mt 10,2-4.
            A vocação de Pedro está associada a uma mudança de nome: Jesus lhe dá o nome de Kephas, Rocha. Na antiguidade, o nome exprimia a realidade íntima do respectivo sujeito. No Antigo Testamento, Deus mudou o nome de Abrão por Abraão, o de Sarai por Sara, o de Jacó por Israel; de cada vez a mudança de nome implicou uma promessa, promessa que dizia respeito aos fundamentos do povo de Deus. Ao trocar o nome de Simão, Jesus quis significar que, no novo Povo de Deus, Pedro terá o papel de fundamento sólido como a rocha.
            Muito significativo é o texto de Mt 16,13-19, cuja autenticidade literária é reconhecida por bons exegetas protestantes. Pedro confessou a messianidade e a filiação divina de Jesus; em resposta, o Senhor lhe declarou: “Tu és Rocha e sobre essa Rocha edificarei a minha Igreja e as portas do inferno não prevalecerão contra ela”. A imagem de rocha significa a solidez de que gozará “a minha Igreja”. “A minha Igreja” traduz o hebraico gahal, palavra que designava a assembléia do povo de Deus no Antigo Testamento. Verdade é que Cristo também é Pedro (pedra) fundamental da Igreja (Mt 21,42; Sl 117,22). Isto, porém, não impede que Pedro seja o fundamento visível instituído por Cristo invisível; Jesus também é luz do mundo (Jo 8,12), o que não impede que os Apóstolos sejam a luz do mundo (Mt 5,14); “só Deus é Bom” (Mc 10,18), mas os homens, também podem ser bons (Mt 5,45; Mt 12,35).
            Jesus confere a Pedro “as chaves do Reino dos Céus”. Estas significam a autoridade para governar uma casa ou um palácio, autoridade que compete a um mordomo ou a um Primeiro-Ministro, como se pode depreender de Is 22, 19-23 “Depor-te-ei de teu cargo e arrancar-te-ei do teu posto. Naquele dia chamarei meu servo Eliacim, filho de Helcias. Revesti-lo-ei com a tua túnica, cingi-lo-ei com o teu cinto, e lhe transferirei os teus poderes; ele será um pai para os habitantes de Jerusalém e para a casa de Judá. Porei sobre seus ombros a chave da casa de Davi; se ele abrir, ninguém fechará, se fechar, ninguém abrirá; fixá-lo-ei como prego em lugar firme, e ele será um trono de honra para a casa de seu pai”.
           
A expressão “ligar e desligar” era usual entre os rabinos e significava:

ü -declarar lícito ou ilícito (desligando ou ligando)
ü -condenar ou absolver, excluir da comunidade ou reintegrar na comunidade.

Assim Pedro recebeu faculdades para decidir e legislar ou para administrar a Igreja de modo geral. Verdade é que Jesus disse semelhantes palavras aos doze reunidos: “Em verdade vos digo: tudo o que ligardes sobre a terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes sobre a terra será também desligado no céu” (Mt 18,18). Esta declaração quer dizer que o colegiado dos Apóstolos com Pedro terá as mesmas faculdades que Pedro a sós.
            Em Lc 22,31-32 lê-se “Simão, Simão, eis que Satanás vos reclamou para vos peneirar como o trigo; mas eu roguei por ti, para que a tua confiança não desfaleça; e tu, por tua vez, confirma os teus irmãos”. Jesus prevê um assalto de Satanás contra os justos – o que é bem conhecido dos escritores sagrados  - “O Senhor mostrou-me o sumo sacerdote Josué, de pé diante do anjo do Senhor; Satã estava à sua direita como acusador. O (anjo do) Senhor disse a Satã: O Senhor te confunda, Satã! Confunda-te o Senhor que escolheu Jerusalém. (Josué) não é porventura um tição escapado ao incêndio?” (Zc 3,1-2); “Levantou-se Satã contra Israel, e excitou Davi a fazer o recenseamento de Israel” 1Cr 21,1); “É por inveja do demônio que a morte entrou no mundo, e os que pertencem ao demônio prová-la-ão” (Sb 2,24).
            Jesus faz alusão a tal assalto diabólico e ora pela fé de Pedro, que foi constituído fundamento de uma comunidade contra a qual as potências malignas não poderão prevalecer. Pedro deverá exercer a função de fortalecer a fé dos irmãos. Pedro, porém, fraquejou e negou o Senhor; mas arrependeu-se e chorou amargamente. Isto bem mostra que é a assistência do Senhor Jesus, que garante aos cristãos a incolumidade da fé.
            Jo 21, 15-17 “Tendo eles comido, Jesus perguntou a Simão Pedro: Simão, filho de João, amas-me mais do que estes? Respondeu ele: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Disse-lhe Jesus: Apascenta os meus cordeiros. Perguntou-lhe outra vez: Simão, filho de João, amas-me? Respondeu-lhe: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Disse-lhe Jesus: Apascenta os meus cordeiros. Perguntou-lhe pela terceira vez: Simão, filho de João, amas-me? Pedro entristeceu-se porque lhe perguntou pela terceira vez: Amas-me?, e respondeu-lhe: Senhor, sabes tudo, tu sabes que te amo. Disse-lhe Jesus: Apascenta as minhas ovelhas”
            É a entrega do mandato que foi prometido a Pedro; Jesus pede a Pedro uma tríplice afirmação de amor e fidelidade para apagar a tríplice negação de Pedro. Jesus constituiu Pedro pastor do seu rebanho. Não há dúvida, os demais Apóstolos foram também chamados ao pastoreio do rebanho de Cristo; como quer que seja, Pedro recebeu de modo pessoal, singular, e em termos ilimitados, a faculdade que seria conferia aos outros Apóstolos. Mais uma vez se verifica que Pedro possui pessoalmente, por concessão do próprio Cristo, aquilo que os demais Apóstolos receberam colegialmente.
            Deve-se notar ainda o papel desempenhado por Pedro tanto no decorrer da vida pública de Jesus quanto após a Ascensão:
            Pedro responde pelos Apóstolos: Lc 5,4-11; Pedro fala em nome do colegiado: Jo 6,68-69; Mt 16,16; Mt 15,15; Mt 19,27; Mt 18,21; Lc 12,41. “Pedro e os que estavam com Pedro” é expressão que põe em relevo o nome de Pedro, fazendo eco a sentenças bíblicas em que o nome posto em realce é o do chefe.
           
ü Mc 16,7 “Ide, dizei a seus discípulos e a Pedro...” 
ü At 2,14 “Pedro então, pondo-se de pé em companhia dos Onze...
ü At 5,29 “Pedro e os apóstolos replicaram...”
ü 1Cor 9,5 “...a exemplo dos outros apóstolos, os irmãos do Senhor e Pedro...”
ü Pedro, após a Ascensão, preside, levanta-se e fala... At 1,15;
ü Pedro é o primeiro a abrir as portas da Igreja aos pagãos sem lhes impor a circuncisão, à revelia do que desejava a facção judaizante da comunidade nascente. (At 10,9-43).
           
            Destas citações pode-se concluir que o colegiado dos doze é estruturado; tem uma chefia na pessoa do Apóstolo Pedro. Isto significa que os sucessores dos Apóstolos constituem um colégio no qual permanece a função primacial petrina, porque a Igreja é concebida por Cristo como uma instituição que deverá durar até o fim dos tempos (Mt 28,20).

FIQUEM NA PAZ DE DEUS!
SEMINARISTA SEVERINO DA SILVA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

CONFIRA AS POSTAGENS MAIS VISITADAS (PROCURADAS) DO BLOG. VALE A PENA!

EU SOU O CAMINHO A VERDADE E A VIDA!

BLOGS PARCEIROS!