VIDA PÚBLICA DE JESUS


VIDA PÚBLICA DE JESUS

            Jesus diz explicitamente que Ele veio para anunciar o Reino: “É necessário que eu anuncie a boa nova do Reino de Deus também às outras cidades, pois essa é a minha missão” (Lc 4,43). “A lei e os profetas duraram até João. Desde então é anunciado o Reino de Deus, e cada um faz violência para aí entrar” (Lc 16,16). Não somente é anunciado o Reino; ele é feito presente, porque a pessoa e a obra de Cristo são o início desse Reino, que expulsa o Maligno, propulsor do pecado e espírito dominador do homem.
         Jesus não apenas falou, Ele realizou sinais da presença do Reino de Deus. Com efeito, Jesus apresentou seus milagres a João com sendo sinais de que Ele era o Messias e inaugurava a restauração, em sua integridade, da humanidade ferida pelo pecado e suas conseqüências. “Tendo João, em sua prisão, ouvido falar das obras de Cristo, mandou-lhe dizer pelos seus discípulos: Sois vós aquele que deve vir, ou devemos esperar por outro?  Respondeu-lhes Jesus: Ide e contai a João o que ouvistes e o que vistes: os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos são limpos, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam, o Evangelho é anunciado aos pobres...” (Mt 11, 2-5.
Se, de um lado, o Reino de Deus apregoado e implantado por Jesus é o eco do Reino esboçado no Antigo Testamento, de outro lado difere deste, no sentido de que nada tem de político, como podiam esperar os israelitas.
É o que depreende claramente no colóquio dos discípulos de Emaús com o Senhor: “Nós esperávamos que fosse Ele (Jesus) quem redimira Israel, mas faz três dias que todas essas coisas aconteceram”.
Aliás, o próprio Jesus disse “Meu reino não é desde mundo”. Entrar no Reino de Deus é simplesmente seguir o Cristo e entregar a vida para lhe ser incondicionalmente fiel, ao passo que recusar seguir Jesus é perder a própria vida e excluir-se do Reino. “Em seguida, convocando a multidão juntamente com os seus discípulos, disse-lhes: Se alguém me quer seguir, renuncie-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me. Porque o que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas o que perder a sua vida por amor de mim e do Evangelho, salvá-la-á” (Mc 8, 34-35).
Por isto, no fim da vida terrestre, cada qual será julgado na base da atitude tomada frente a Jesus presente nos pobres, doentes, famintos, nus e encarcerados (Mt 25, 31-46). É de notar que Jesus tenciona organizar seu Reino escolhendo doze Apóstolos, que Ele forma para continuarem sua obra e que, por seu número doze, estão na continuidade das doze tribos de Israel ou do povo de Deus no Antigo Testamento.

FIQUEM NA PAZ DE DEUS!
SEMINARISTA SEVERINO DA SILVA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

CONFIRA AS POSTAGENS MAIS VISITADAS (PROCURADAS) DO BLOG. VALE A PENA!

EU SOU O CAMINHO A VERDADE E A VIDA!

BLOGS PARCEIROS!